Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

ter a consciência da nossa finitude

Tri, 10.05.23

Eu sei que sempre ouvimos dizer que todos “estamos a morrer”, que “desde que nascemos que estamos em contagem decrescente” e outros clichés do género (e são verdade, eu sei!) mas quando isso se torna palpável, quando esse tempo que nos resta é mensurável, o que fazemos com essa informação?

Fomos criados com medo da morte, um medo quase instintivo, (se não se falar pode ser que não exista, não é?) o desconhecido é algo que nos encanita o espírito, não saber ao certo o que acontece gera-nos angústia pelas perguntas sem resposta que acumulamos. Naturalmente que tentamos evitar a morte e fazemos o possível para que tal não aconteça, no entanto, é a única certeza que temos. É inevitável! (e vai mais um cliché)

O que aconteceria se, de repente, soubéssemos exatamente o dia em que morreríamos? O que faríamos? Como iríamos usar o nosso tempo limitado na Terra da melhor forma possível?

Segundo um estudo realizado por cientistas da Universidade de Bar Ilan, em Israel, o cérebro tem um mecanismo de defesa que nos protege do medo existencial da morte. Ou seja, no momento em que adquirimos a capacidade de perspetivar o nosso futuro, percebemos que num dado momento iremos morrer e não há nada que se possa fazer em relação a isso. No entanto, isso é contranatura, porque aquilo que o nosso organismo biológico pretende é lutar para nos manter vivos, daí afirmarem que o nosso cérebro nos defende da morte.

tempo.png

Confesso que também tento não pensar muito no assunto, limito a tentar viver a vida o melhor que consigo e me é possível. Como já partilhei por aqui várias vezes, tenho o meu livro da gratidão há anos onde escrevo diariamente. Sou grata todos os dias por acordar neste país, por estar junto da minha família, por ter saúde e uma série de outras coisas. E, efetivamente, todos os dias tenho algo por que ser grata, pequenas coisas mesmo, às vezes sou muito bem atendida no supermercado e já acho isso digno de nota.

Mas ter a consciência que temos que desfrutar todos os dias, estar para as nossas pessoas porque nunca sabemos bem quando é o último … é algo que me custa um pouco a conceber, confesso.

O meu tio tem neste momento três problemas de saúde (não vale a pena entrar em detalhes médicos que são tão complexos que nem eu percebo bem) e não consegue tratar. Qualquer tratamento que faça para um deles, agrava os outros. O último a aparecer foi o cancro que não pode “ver quimio” porque acentua a progressão dos outros dois…e assim, em três meses te dão um prazo de validade…te dizem «se ainda tinhas planos futuros, sonhos por realizar, esquece, porque não dá para prolongar o prazo».

De facto, não há nada que se possa fazer, nada para tomar, basicamente é esperar pelo dia…pelo último dia.

Ele está bastante tranquilo com a sua finitude, quase que conformado…às vezes apetece abanar «podes, pelo menos, ficar um pouco mais triste por partires»?

Mas não regras de como devemos reagir a estas notícias, não há certo e errado nestas coisas, não há procedimentos standard a seguir, ninguém nos diz como nos devemos sentir nestes momentos, como é ficar sem chão…

Não consigo imaginar o que é saber a minha validade, saber o tempo que me resta…o que se faz com essa informação?

Corremos contra o tempo tentando fazer tudo o que temos na lista que escrevemos aos 30 anos? Queremos ver todas as pessoas que nos rodeiam? Ignoramos e vivemos a vida com a rotina normal, sabendo, de antemão, que já não precisamos programar onde vamos na próxima passagem de ano…?

A vida prega-nos partidas, como bem sabemos, difícil é dar a volta e torná-las em oportunidades…

28 comentários

Comentar post

Pág. 2/2