Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

“Não ter quem se lembre sequer de nós é um duro golpe na nossa existência”

Tri, 30.08.21

O mote que me despoletou esta reflexão foi dado pelo João, sem mesmo ele saber, num dos comentários que fez aqui no blog, porque é uma frase que me tocou de tão verdadeira e por conhecer quem a viva.

Sou voluntária já há muitos anos e já passei por diferentes projetos com diferentes áreas de atuação, nos últimos 7 anos “estagnei” na associação onde me encontro atualmente e um dos projetos nos quais estou inserida é o acompanhamento de idosos em situação de isolamento da cidade do Porto.

E tenho que vos confessar que é uma realidade chocante.

Primeiro é chocante conhecer alguns dos buracos (literalmente) em que alguns vivem, pequenas casas, sem condições, onde chove lá dentro, onde a casa banho ainda é na rua (como era a da minha avó, está certo…mas as coisas vão evoluindo, não é verdade?), onde às vezes entrar 2 ou 3 voluntários lá em casa, já é sinal de casa cheia (porque fica mesmo cheia, não cabe mais nada …não entendo como é que em tempos moraram lá 10 pessoas ou assim).

Segundo porque muitas destas pessoas estão completamente desprovidas de atenção e cuidado, são completamente negligenciadas pela sociedade. Atenção, algumas delas têm algum apoio da Junta de Freguesia ou assim ou de uma Santa Casa (?) mas mesmo para isso é preciso terem dinheiro e as reformas são de trezentos euros (às vezes um pouco mais…na loucura), mal dá para comer quanto mais para pagar “luxos” de ter alguém a ir ajudar na higiene ou ir entregar uma refeição decente por dia.

Terceiro são pessoas que não têm família ou qualquer tipo de retaguarda familiar, por diversos motivos porque efetivamente já são velhinhos (e bem fofinhos, às vezes) e todos à sua volta foram indo e eles lá se vão lamentando “Todos se vão e eu aqui. O que é que eu ainda ando cá a fazer?”; ou porque não criaram o seu núcleo familiar mais próximo, do género, ou não casaram, ou não tiveram filhos, ou eram filhos únicos, ou seja, só tinham tios, padrinhos e afins que, obviamente, também sendo mais velhos que eles a vida se encarregou de os levar primeiro; e por último o cenário dos que têm família mas completamente desligada, pessoas que não falam com os filhos há 30 anos, que nunca conheceram os netos (ou talvez numa foto que uma vez receberam por correio…) e esses são os que custa um pouco mais.

Custa na medida em que não me cabe a mim, nem a nenhum voluntário, fazer juízos de valor (de todo!) mas custa-me aceitar, por vezes. Se é fácil, não é, porque todos somos seres humanos portanto é um exercício constante que tenho que ir fazendo mas que consigo cumprir e ir isenta de preconceito e juízos de valor.

Eu não imaginaria tal acontecer na minha família, mas não sabemos a história completa daquela família em concreto. Aliás todas as histórias têm sempre dois lados e eu só conheço o do idoso, sempre.

Isto pegando na deixa do João, de facto é duro não ter quem se lembre da nossa existência, e estes idosos não têm…o telefone não toca para saber se estão bem, se estão vivos sequer, o que lhes mantem o alento são as nossas visitas, a nossa presença semana após semana. Somos, muitas vezes, as únicas pessoas com quem falam na semana inteira, é normal que quando vamos embora fiquem, automaticamente, a contar os dias, até ao próximo dia em que vamos voltar.  Se imagino a minha família em condições destas, não imagino; mas há sempre elementos com quem nos damos menos bem e quase consigo entender como se pode chegar a este ponto.

Uma coisa é certa, nós estamos lá para eles e sem julgamentos, porque não sabemos o que se passou naquela família, se há apenas falta de vontade e amor, se aquela pessoa que se demonstra tão vulnerável neste momento connosco foi um sacana durante a vida, enfim…todas as histórias têm dois lados e nós vamos ouvindo as memórias dos nossos idosos, o que eles vão contando, o que querem partilhar, com mais ou menos floreados.

Mas é uma realidade pesada de lidar, por vezes, e estes últimos dois anos foi um grande abanão…perdemos mais idosos nestes dois anos que no tempo todo em que lá estou…e não foi para o covid, eu diria que foi para a solidão…

Mas o mais importante, é saberem que estamos sempre lá, independentemente de tudo o resto, todo o ano. E saberem que, afinal, há quem se lembre deles.

as mudanças na nossa vida

Tri, 15.08.21

Dizem que as mudanças fazem parte da vida, pelo menos sempre me disseram, e é assim que eu vendo o peixe.

Mas não significa que não custe ou que uma pessoa se habitue sempre.

Nasci em Coimbra, onde sempre fui muito feliz e, para quem não conhece, é como se fosse uma aldeia em ponto grande (como eu digo sempre), onde se conhece toda gente, se cumprimentam todos os que vão passando na rua (ou cumprimentávamos, agora não estou lá, já não sei bem…) e assim conhecia a baixa e arredores, onde me sentia bem porque conhecia toda gente.

A minha mãe dava-me um tostão para ir ao pão como gente grande e eu lá ia dizendo olá a todos p’lo caminho, passando p’lo clube vídeo (está agora o meu sobrinho a coçar a cabeça a pensar o que será um clube de vídeo!?) e com a Ti Altina sempre sentadita à porta.

No entanto deu-se uma mudança, para o Porto…mas vida é feita de mudanças e temos que nos ir adaptando, não é…?

 

Todavia o Porto era uma cidade grande e mudámos para um prédio também de si grande (na verdade, da minha perspetiva da altura pareceu-me gigante…) onde não conhecíamos ninguém, não tinha telemóvel, não havia redes sociais…ainda se escreveu algumas cartas aos amigos mas alguns foram ficando pelo caminho. Dei-me muito mal com esta mudança; a falta de poder andar pela rua e dizer ‘bom dia’ a toda gente (não desfazendo da tremenda simpatia da malta do Norte, atenção); de conhecer os vizinhos que moram mesmo ao nosso lado e a senhora da mercearia de desenrascava 1 Kg de sal mesmo antes de fechar a porta.

Senti falta essencialmente dos amigos, das pessoas, numa fase da vida em que ainda se está a crescer, em que ainda não amadureceste o suficiente para saberes estar bem contigo apenas, em que ainda precisas de pessoas para te afirmares, para te perceberes, para pertenceres...que errado que isso é. Hoje, eu sei isso.

O Porto foi começar toda uma nova vida, tudo de raiz, para toda a família convenhamos (mas eles é que escolheram, portanto …). Mas foi um recomeço de tudo, de rotinas, de amizades, de empregos, de simplesmente estar à vontade na cidade.

 

Lembro-me sempre das grandes mudanças da minha vida, se calhar não são grande coisa comparadas com a história de vida dos meus avós e dos meus pais, mas são as minhas mudanças e impactaram a pessoa que sou hoje. Mudanças de cidade, de faculdade, de casa, de relações, de trabalhos…de facto, a vida é mesmo feita de mudanças, pelo que já devia ser algo natural para nós, mas ainda assim não deixo de ficar com ‘borboletas na barriga’ perante um novo projeto, antes de uma entrevista de emprego, quando vou começar uma nova formação, etc.

Pequenas mudanças, as reações de sempre.

 

Neste momento pondero mudar de trabalho, ainda não sei bem como fazer isso porque parece uma loucura (para qualquer pessoa que esteja de fora parece) porque estou num trabalho estável, permite-me fazer a minha vida, não me posso queixar do que ganho nem do ambiente na empresa mas de facto estes anos permitiram-me perceber que a minha área de formação não me completa. Na altura escolhi o que queria, Gestão de Empresas, ninguém me obrigou e fazia-me total sentido…mas agora que estudei, tentei, experimentei, creio que posso afirmar que não gosto, não me completa, não me satisfaz e gostava de não continuar nesta área.

“Mas e então o que queres tu fazer?”, perguntam vocês. Pois aí é que reside o busílis da questão…não faço ideia, daí me manter no meu porto seguro. Mas tenho vindo a pensar muito nisso e sinto-me, cada vez mais, como peixe fora de água (se é que estou a fazer sentido sequer…).

Nem todos podemos fazer aquilo que sonhamos na vida, mas por vezes temos apenas que nos adaptar e conseguirmos estar melhor mudando a perspetiva das nossas funções e local de trabalho, como já aqui refletimos.

Se tivesse assim um jeito maravilhoso para algo, tipo culinária, já tinha solução e dedicava-me à gastronomia, por exemplo…mas não encontro nenhuma skill escondida dentro de mim que me ajude neste momento de dúvida…continuarei a refletir sobre isto até conseguir chegar a bom porto, espero eu.

eu não preciso de ninguém

Tri, 09.08.21

- “Como assim não precisas de ninguém?”

- “Não preciso. Estou bem sozinho. Estou bem comigo mesmo e não preciso de ninguém.”

- “Sim, mas todos nós precisamos de pessoas, precisamos dos nossos momentos a sós mas também precisamos de estar com pessoas senão piramos…basta veres como foi com uma pandemia p'lo caminho.”

E foi esta a premissa base do café que tive com um amigo há uns dias, que acha que é bom sabermos amar-nos e aprendermos a estarmos a sós, a estarmos bem apenas connosco e então, assim, aprendemos a não precisar dos outros.

Mas até que ponto isto é saudável?

Eu não quero não precisar de pessoas. Eu quero ter as minhas pessoas há minha volta, eu quero ser capaz de sentir saudades e tal só me acontece quando há envolvência e comprometimento efetivo.  

É certo que sempre gostei de me “armar em forte” mas sei que sou muito ligada há minha família e que faço por manter os amigos por perto (ainda que à distância, que hoje em dia se encurta com tanta tecnologia).

Também facilmente me ouviriam dizer ‘Estou bem comigo mesma’, e era verdade, mas tal não significava que não queria pessoas. Gosto muito dos meus momentos de solitude e faço por conseguir tê-los, tal como prezo os momentos de partilha. (principalmente à mesa, tuga que é tuga, partilha à mesa não é?!)

Na minha inocência acho sempre que é nos momentos de partilha que reside a riqueza, que se soubermos estar atentos, aprendemos sempre alguma coisa (não falemos de trabalhos manuais vá, mas de valores e atitudes, vocês percebem-me).

No fundo acho até que algumas pessoas passam pela nossa vida exclusivamente para nos ensinarem a não ser como elas, o que já é um grande feito, e se conseguirmos aprender isso já é uma grande lição.

Mas não podemos achar como o J. que estamos tão bem connosco que nem precisamos de pessoas; nós somos seres sociáveis, claramente que precisamos de pessoas.

o soninho do sofá

Tri, 02.08.21

O vosso sofá também é daqueles que tem ‘vida própria’? Tem braços ‘invisíveis’ que nos agarram mesmo sem nós querermos e nos obrigam a manter o rabo alapado no sofá?

Pois, o meu é desses!

É daqueles objetos milagrosos, em que nos sentamos para ver uma série (ver para dentro, não é) e de repente ele já nos catapultou ‘para o vale da nossa senhora da sesta’.

Mas é um soninho tão bom que devia ser considerado uma das sete maravilhas do mundo. RTP, fica aqui a dica para o próximo programa (também já fizeram maravilhas de tudo, realmente já só falta esta…)

Confesso que nos últimos meses tenho tentado não sucumbir, nem tenho ligado a TV, só coloco uma música quando chego a casa, jantamos com música ambiente, depois é pôr a leitura em dia (que eu tenho o meu desafio pessoal para atingir). Mas há sempre um dia que uma pessoa tem que ir lá parar senão fica com peso na consciência “Ando a pagar netflix para quê?!’”.

Mas quem é que é nunca dormitou no sofá?!?

 Pois, silêncio…bem me parecia que vocês sofriam do mesmo mal.

couch.PNG

Não sei porquê, mas creio que isto deve estar nos genes…nos genes do ser humano, e tem vindo a passar de geração em geração.

E depois há quem atribua uma conotação negativa ao sofá, quando a discussão é mais acesa a tendência é de dizer ‘logo já vais dormir no sofá’, o que eu diria que não é mau de todo (a menos que este já seja velhote e se sintam as molas todas) e inclui TV a noite inteira, que é excelente para embalar pessoas.

Como é convosco, são dos passam p’las brasas no sofá antes de ir para a cama ou nem se chegam com medo de adormecer?

Olá, muito gosto...

Tri, 24.07.21

A emoção que é conhecer pessoas novas. Ainda se lembram do que era? Ou ainda vos acontece?

E não estamos aqui a falar em conhecer pessoas no sentido romantizado da coisa, não, simplesmente conhecer um novo ser humano.

Perceber gostos em comum ou diferenças gritantes; aqueles momentos em que genuinamente nos interessamos pela outra pessoa em que até aprendemos algo de novo com o hobbie que a outra pessoa partilha; em que acabamos por nos abrir mais do que contávamos porque aquela pessoa nos faz perguntas, se interessa genuinamente…

Ainda se lembram como era conhecer realmente pessoas sem ser só enviando uma mensagem? Não que não se possa falar numa mensagem, temos que acompanhar os tempos é certo, mas eu adoro conhecer pessoas.

Nas minhas viagens, adoro meter conversas com os locais, ficar a saber mais coisas sobre os sítios, a cultura, sobre eles e a sua vida; com os outros turistas onde acabo, por vezes, por arranjar companheiros de viagem.

friendship-cartoon-illustration-group-six-happy-fr

Conhecer novas pessoas dá-nos a oportunidade de nos conhecermos melhor também, de nos apresentarmos de forma sincera ou de “pintarmos o quadro que queremos”, permite-nos perceber que às vezes é tão mais simples sermos honestos com desconhecidos, que não vão julgar a nossa vida, do que com amigos de longa data.

Para além de que nos força a sair da nossa zona de conforto, da nossa rotina, das “nossas pessoas” que damos como garantidas e com quem já contamos, sem sequer perguntar; conhecer novas pessoas é uma maneira de conhecer novas ideias, histórias, personalidades, mostrar quem somos e de ampliar horizontes. Não que as nossas pessoas devam ser esquecidas, jamais, elas são essenciais, são o nosso pilar, o objetivo é completar e expandir-nos.

No dia-a-dia é fácil conhecer novas pessoas? Eu diria que sim, se tivermos genuíno interesse pelas pessoas.

Normalmente, andamos sempre a mil e passamos pela padaria com um «B’dia» de fugida, na farmácia um «Olá» envergonhado; podemos tentar organizar-nos e ter tempo, dedicar 5 minutos do nosso tempo a alguém. O que são 5 minutos do nosso tempo?

Se calhar descobrimos coisas engraçadas sobre a senhora da mercearia, descobrimos coisas em comum com o sapateiro e um dia até convidamos a senhora da farmácia para um cafezinho.

Não sei quanto a vocês, mas eu gosto de conhecer pessoas. Afinal de contas, nós somos animais sociáveis e gosto de conhecer as pessoas da minha zona.

como perder pneus em dois dias

Tri, 14.07.21

Estavam à espera da receita de uma dieta milagrosa qualquer, não era?! Desculpem, enganei-vos. 

Tenho andando ocupada a resolver problemas em casa que parecem como cogumelos: nascem em todo o lado.

Ele é lâmpadas a fundir, é rodapés a descolar que têm que ser refeitos, é uma parece que decidiu descascar e tenho que voltar a lixar tudo, pôr massa e pintar (sim que eu virei uma empreiteira top ..vá, top top não mas desenrasco vá), problemas muito diversos que me têm ajudado entreter (estava mesmo a precisar, realmente).

A juntar a isso tive uma bela surpresa que das duas uma, ou tive mesmo muito azar, ou alguém me quer dar algum recado…

Estive uns dias fora e deixei o carro estacionado na minha rua, é uma rua de sentido único e tem sempre carros de ambos os lados, toda a rua é um grande parque de estacionamento. Acontece que cheguei na segunda para pegar no carro e tinha um pneu furado, mas mesmo muito furado, o pneu é de uma borracha tão dura e aquilo parecia gelatina (nota-se muito que nunca tive um furo na vida?!).

Ora para resolver o problema toca de pegar no telefone e chamar... (assistência em viagem diriam vocês?!) o meu rico paizinho, claro está, para vir ajudar a menina.  Infelizmente o raio do pneu deu mesmo luta porque tinha ferrugem, ou algo assim, mas ainda tivemos um vizinho muito prestável a ajudar.

Neste momento eu já estranhava a situação porque tenho total certeza que o carro estava bem quando o deixei estacionado, andei a dar imensas voltas no último dia e não senti nenhum pneu em baixo, estacionei-o bem, como é que perdeu o ar nestes dias?

O meu pai dizia-me que devo ter calcado algo e ficou a esvaziar estes dias…possível, realmente…

Lá ficou o carro com o pneu suplente que me permitiu arrancar, mas só na terça é que eu conseguia ir tratar daquilo.

unnamed.jpg 

Na terça, às 8h00, chego ao meu carro (que ficou novamente estacionado na rua, ainda que num sítio diferente) e apanho outro pneu furado. Como assim? Qual é a probabilidade?

Desta vez já não me adiantava pedir ajuda ao meu pai porque não havia mais pneus suplentes para substituir, tive que me limitar a chamar o reboque para me levar à casa de pneus e chegar atrasada ao trabalho.

O meu pai continua a achar que posso ter pisado algo pontiagudo num pneu e noutro (foram do mesmo lado) e que acabaram por ir esvaziando… mas caraças, dois pneus? Dois dias seguidos? Que raio de azar …

Simplesmente acho muito estranho mas eu também nunca tinha tido um furo na vida, agora, de repente, já fiquei com dois na coleção.

Vamos lá ver se sobrevivo sem mais nenhum o resto da semana. (afinal de contas o carro tem quatro pneus…)

mas chegar atrasado é moda?

Tri, 08.06.21

E ninguém me avisou.

Não quero apontar o dedo a ninguém nem tornar isto numa questão regional, mas, todas as minhas reuniões no Sul (é que seja com quem for) começam tarde, ou tenho muito azar, ou é hábito.

(eu sei que isto é uma terra de trânsito crónico, mas já todos sabem disso, portanto convém sair mais cedo!)

De uma forma geral, cada vez mais noto uma tendência crónica de todas as pessoas para não chegarem a horas…pensei que os confinamentos e reuniões à distância de um clique tivessem melhorado isto (até porque se só precisamos fazer um clique para começar, bem que podemos chegar à hora marcada) mas parece que não.

clock.jpg

 

 

É empreendedora desd’a barriga da mãe

Tri, 27.05.21

Os meus pais têm uma forte convicção de que eu tenho algum espírito empreendedor dentro de mim, que não sei estar quieta e estou sempre metida nalgum projeto.

Por sua vez, eu posso afirmar que não tenho. Talvez em tempos idos possa ter tido um resquício mas que se perdeu com o tempo, claramente.

 

É um facto que eu estou sempre metida em alguma coisa, a ajudar alguém num determinado projeto, a fazer formações, a aprender uma nova língua, a preparar angariações de fundos para a minha associação, um sem número de coisas mas daí a ser uma empreendedora vai uma grande distância.

E porque acham os teus pais tal coisa? (perguntaram vocês, não foi?)

 

Desde pequena que sempre quis muito ser independente, e por independente entenda-se conseguir ter umas moedas para ir comprar gomas sem ter que pedir à mãe ou simplesmente ter o meu mealheiro de lata, conseguir enchê-lo e ter o maior dos prazeres em despejar todas as moedinhas em cima do balcão do banco (do montepio, claro está, como boa criança portuguesa que era) para depositar na minha conta poupança “para quando fosse grande”.

Ai, e se conseguia encher esse mealheiro minha gente…várias vezes me lembro deste processo, no tempo em que ainda aceitavam depósitos em moedas e eu recebia elogios por levar os meus escudos todos direitinhos para serem depositados. Era um orgulho! Sentia-me ‘como gente grande’.

 

E como arranjava eu tantas moedas? (foram vocês que perguntaram ou foi impressão minha?)

 

Pois aí é que está o cerne da questão e o tal jeito para os negócios que desenvolvi desde cedo, nas mais variadas atividades a que me propus.

Sempre estive disponível para ajudar todas as pessoas no nosso bairro, os meus pais assim me ensinaram, sem qualquer contrapartida, ajudava a levar os sacos ao cimo das escadas, a dar comida aos animais, a ir ‘só ali buscar dois pãezinhos qu’és linda’, no entanto, comecei a amealhar rebuçados do Dr. Bayard e, de quando em vez, um tostão. E aí sim, nasce o meu primeiro mealheiro, sem contar, sem ter pedido, simplesmente porque me quiseram dar uma moeda.

E foi quando o meu pai me ensinou a guardar as moedas na latinha para guardar no banco e ter dinheiro quando crescesse. (convenhamos que ainda mal se sabia da fama dos bancos, na verdade)

2694102_0.jpg

 

 

vamos ver os carros a passar?

Tri, 15.05.21

Digam de vossa justiça, todos vocês eram (e como dizia a minha avó) “boa boca” em pequenos?

Na minha família creio que temos um caso crónico de “esquisitice”.

O meu pai por exemplo, um senhor alto e muito bem-apessoado, come de tudo e é o Masterchef lá de casa, improvisa e cozinha maravilhosamente bem (tivesse ele mais tempo … ai ai, delicia) ninguém diria que era um autêntico ‘finguelinhas’ em criança. (para sinónimos, consultar o dicionário do Norte)

Reza a lenda, que a minha avó lhe preparava os lanches para levar para a escola e ele, como não queria comer, chegava ao fundo das escadas e colocava o pão com manteiga direto da caixa do correio. A minha avó dava por ela ao final do dia ou, por vezes, só no dia seguinte. Claro que ‘havia molho’ de seguida, até porque não havia fartura pelo que desperdiçar o que quer que fosse era, para a minha avó, um flagelo.

 

Já eu era esquisita e continuo a sê-lo. De tal forma, que a minha avó tinha que me distrair para me conseguir pôr alguma coisa à boca, por isso íamos para a janela ver os carros a passar, escolhíamos uma cor e sempre que algum carro dessa cor passasse ela dava-me uma colher de comida. Escusado será dizer que passávamos horas na janela. E íamos mudando de cor para o jogo render. E quando comecei a conhecer letras, fizemos um upgrade ao jogo para identificar determinada letra nas matrículas que passavam. (facilitava a sua tarefa o facto de morar perto da estação de comboios de Coimbra e haver algum movimento naquela zona)

cars.jpg

Não tenho muitas memórias de infância da minha avó, mas tenho essa imagem muito gravada em mim, lembro-me perfeitamente de estar no banquinho de madeira, que ela tinha sempre ao lado da janela, a ver os carros a passar e a ‘tentar’ ingerir comida.

E mais tarde, quando entrei na primária, e como já sabia o abecedário e algumas palavras, ela deixava-me ajudá-la a fazer as sopas de letras. Ai, o que eu adorava as sopas de letras!

Via a palavra, mesmo sem saber o que significava, e procurava igual naquele emaranhado de letras. Tornei-me muito rápida, ao longo dos anos, uma “profissional da sopa” como dizia a minha avó a rir.

 

Na sua simplicidade, e paciência mais ou menos controlada, ela cuidava de mim e ia estimulando os meus conhecimentos. Hoje andei de metro, já não o fazia há anos, e dei por mim a contar os carros vermelhos que passavam … memórias…não somos todos nós feitos delas?

Quarto-escuro

Tri, 13.05.21

Vocês lembram-se? Digam-me que sim, que não fui só eu.

Estava este fim-de-semana a conversar com o meu sobrinho sobre a interação que tem com os seus amigos, o tipo de brincadeiras que fazem hoje em dia (inexistentes diga-se), constatando que o normal para ele é “estar com o pessoal” à distância.

E não, não por causa do covid. E sim porque se habituaram a falar por mensagens, a conversarem através de microfones quando estão todos a jogar um qualquer jogo on-line e quando estão efetivamente juntos não têm o à-vontade para falarem, para desabafarem, para dizerem o mesmo que escreveram na mensagem do dia anterior.

 

Isto já era algo que me preocupava mas atualmente com tanto confinamento, temo que isto vá ser um grande dilema da nossa sociedade, a incapacidade de criar relações sociais, de lidar com o outro, de cuidar…

Bem, mas não foi isso que nos trouxe aqui hoje.

 

Vocês lembram-se dos jogos de antigamente que usámos como artimanha para nos podermos aproximar daquele colega mais engraçado a quem queríamos roubar uma beijoca? (não estou nisto sozinha de certeza, não me julguem)

Havia o “bate o pé”, bem atrevidote onde podíamos fazer a ação que nos tinha calhado ou bater o pé e recusarmo-nos e o “quarto-escuro”. Mas quem é que inventou estas coisas? (pergunto-me eu hoje a sorrir perante algumas memórias) O “quarto-escuro” era um jogo às escuras, onde o objetivo era tentar encontrar alguém e identificar às apalpadelas (leram bem: às apalpadelas … mas com respeito atenção!) e quando um casalinho se encontrava aproveitava para roubar uns beijitos.

Tudo bastante inofensivo, diria eu, e algo inerente à curiosidade da idade e da descoberta dos próprios corpos e dos outros.

dark-room-light-through-window-hunched-man1.jpg

E dizem vocês, “mas e lembras-te disso agora porquê?” (pareceu-me que vos ouvi perguntar)

 

Pois que acho que estes adolescentes (e pré-adolescentes) já nem desses jogos precisam de tão explícitos que são. São um contrassenso, na verdade, por um lado contidos nas palavras, não criam relações, não fazem amigos verdadeiros (daqueles com quem vão poder contar mesmo e não daqueles que só estão prontos para a festa ou para parecer bem nas fotos), não se dão a conhecer verdadeiramente com receio das represálias, do escárnio ou rebaixamento, no entanto, conseguem ser demasiado físicos. E por físicos entenda-se, andarem quase nus na rua (não deixam grande espaço para a imaginação não) e serem demasiado sexuais em plena via pública.

Moro perto de escolas e as coisas que eu já assisti…ou eu sou muito púdica e não soube acompanhar a evolução dos tempos ou isto não é de todo normal, é crescerem demasiado rápido, é nem disfrutarem de ainda serem criança e pré-adolescentes. (eles não sabem, mas depois têm o resto da vida para serem sempre adultos … criança é que não!)

 

Mas é de mim, que me custa a entender isto e acho que é demasiado ou partilham da mesma opinião? Posso ser só eu que “parei num outro tempo” e considero que há tempo para tudo na vida, temos várias fases e etapas por algum motivo, portanto cada coisa a seu tempo.