Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

vamos ver os carros a passar?

Tri, 15.05.21

Digam de vossa justiça, todos vocês eram (e como dizia a minha avó) “boa boca” em pequenos?

Na minha família creio que temos um caso crónico de “esquisitice”.

O meu pai por exemplo, um senhor alto e muito bem-apessoado, come de tudo e é o Masterchef lá de casa, improvisa e cozinha maravilhosamente bem (tivesse ele mais tempo … ai ai, delicia) ninguém diria que era um autêntico ‘finguelinhas’ em criança. (para sinónimos, consultar o dicionário do Norte)

Reza a lenda, que a minha avó lhe preparava os lanches para levar para a escola e ele, como não queria comer, chegava ao fundo das escadas e colocava o pão com manteiga direto da caixa do correio. A minha avó dava por ela ao final do dia ou, por vezes, só no dia seguinte. Claro que ‘havia molho’ de seguida, até porque não havia fartura pelo que desperdiçar o que quer que fosse era, para a minha avó, um flagelo.

 

Já eu era esquisita e continuo a sê-lo. De tal forma, que a minha avó tinha que me distrair para me conseguir pôr alguma coisa à boca, por isso íamos para a janela ver os carros a passar, escolhíamos uma cor e sempre que algum carro dessa cor passasse ela dava-me uma colher de comida. Escusado será dizer que passávamos horas na janela. E íamos mudando de cor para o jogo render. E quando comecei a conhecer letras, fizemos um upgrade ao jogo para identificar determinada letra nas matrículas que passavam. (facilitava a sua tarefa o facto de morar perto da estação de comboios de Coimbra e haver algum movimento naquela zona)

cars.jpg

Não tenho muitas memórias de infância da minha avó, mas tenho essa imagem muito gravada em mim, lembro-me perfeitamente de estar no banquinho de madeira, que ela tinha sempre ao lado da janela, a ver os carros a passar e a ‘tentar’ ingerir comida.

E mais tarde, quando entrei na primária, e como já sabia o abecedário e algumas palavras, ela deixava-me ajudá-la a fazer as sopas de letras. Ai, o que eu adorava as sopas de letras!

Via a palavra, mesmo sem saber o que significava, e procurava igual naquele emaranhado de letras. Tornei-me muito rápida, ao longo dos anos, uma “profissional da sopa” como dizia a minha avó a rir.

 

Na sua simplicidade, e paciência mais ou menos controlada, ela cuidava de mim e ia estimulando os meus conhecimentos. Hoje andei de metro, já não o fazia há anos, e dei por mim a contar os carros vermelhos que passavam … memórias…não somos todos nós feitos delas?

Quarto-escuro

Tri, 13.05.21

Vocês lembram-se? Digam-me que sim, que não fui só eu.

Estava este fim-de-semana a conversar com o meu sobrinho sobre a interação que tem com os seus amigos, o tipo de brincadeiras que fazem hoje em dia (inexistentes diga-se), constatando que o normal para ele é “estar com o pessoal” à distância.

E não, não por causa do covid. E sim porque se habituaram a falar por mensagens, a conversarem através de microfones quando estão todos a jogar um qualquer jogo on-line e quando estão efetivamente juntos não têm o à-vontade para falarem, para desabafarem, para dizerem o mesmo que escreveram na mensagem do dia anterior.

 

Isto já era algo que me preocupava mas atualmente com tanto confinamento, temo que isto vá ser um grande dilema da nossa sociedade, a incapacidade de criar relações sociais, de lidar com o outro, de cuidar…

Bem, mas não foi isso que nos trouxe aqui hoje.

 

Vocês lembram-se dos jogos de antigamente que usámos como artimanha para nos podermos aproximar daquele colega mais engraçado a quem queríamos roubar uma beijoca? (não estou nisto sozinha de certeza, não me julguem)

Havia o “bate o pé”, bem atrevidote onde podíamos fazer a ação que nos tinha calhado ou bater o pé e recusarmo-nos e o “quarto-escuro”. Mas quem é que inventou estas coisas? (pergunto-me eu hoje a sorrir perante algumas memórias) O “quarto-escuro” era um jogo às escuras, onde o objetivo era tentar encontrar alguém e identificar às apalpadelas (leram bem: às apalpadelas … mas com respeito atenção!) e quando um casalinho se encontrava aproveitava para roubar uns beijitos.

Tudo bastante inofensivo, diria eu, e algo inerente à curiosidade da idade e da descoberta dos próprios corpos e dos outros.

dark-room-light-through-window-hunched-man1.jpg

E dizem vocês, “mas e lembras-te disso agora porquê?” (pareceu-me que vos ouvi perguntar)

 

Pois que acho que estes adolescentes (e pré-adolescentes) já nem desses jogos precisam de tão explícitos que são. São um contrassenso, na verdade, por um lado contidos nas palavras, não criam relações, não fazem amigos verdadeiros (daqueles com quem vão poder contar mesmo e não daqueles que só estão prontos para a festa ou para parecer bem nas fotos), não se dão a conhecer verdadeiramente com receio das represálias, do escárnio ou rebaixamento, no entanto, conseguem ser demasiado físicos. E por físicos entenda-se, andarem quase nus na rua (não deixam grande espaço para a imaginação não) e serem demasiado sexuais em plena via pública.

Moro perto de escolas e as coisas que eu já assisti…ou eu sou muito púdica e não soube acompanhar a evolução dos tempos ou isto não é de todo normal, é crescerem demasiado rápido, é nem disfrutarem de ainda serem criança e pré-adolescentes. (eles não sabem, mas depois têm o resto da vida para serem sempre adultos … criança é que não!)

 

Mas é de mim, que me custa a entender isto e acho que é demasiado ou partilham da mesma opinião? Posso ser só eu que “parei num outro tempo” e considero que há tempo para tudo na vida, temos várias fases e etapas por algum motivo, portanto cada coisa a seu tempo.

os meus olhos ...

Tri, 10.12.20

E hoje alguém me perguntou: "o que dizem os teus olhos nesta fase da tua vida?"

Uma pergunta simples e direta mas com uma resposta pouco direta e espontânea, na verdade ...

Neste momento os meus olhos estão cansados com este ano muito duro, profissional e pessoalmente, e mesmo sem covid. Mas transmitem esperança, esperança no futuro, esperança de que possamos dar abraços demorados e sem culpa, de que possamos estar novamente todos juntos sem espreitar por cima do ombro.

No final de tudo acabam sempre por brilhar porque sou otimista, sou grata pelo que tenho e pelas minhas pessoas, e tenho aprendido essa lição ao longo da vida.

E os vossos olhos, o que dizem nesta fase da vossa vida?

 

“Anda meio mundo a enganar outro meio”

Tri, 01.12.20

“Anda meio mundo a enganar outro meio” é uma expressão que todos conhecemos e que, apesar de sobejamente exagerada, contém alguma verdade, já que somos frequentemente confrontados com falsas notícias, falsos medicamentos, falsas soluções, que temos tendência para aceitar como verdadeiras sem pensar duas vezes.

Fazemo-lo porque duvidar dá trabalho: é preciso compreender do que se fala, é preciso compreender os argumentos apresentados, é preciso ter argumentos para contra-argumentar, é preciso perder tempo, e claro, é preciso pensar!

Não obstante, muitas vezes o que é exposto é algo em que desejamos acreditar ou que temos tendência para aceitar como verdadeiro (regra geral, as crianças acreditam em tudo, os adultos acreditam em tudo o que vá de encontro aquilo em que já acreditam).

É um facto que eu já dou como certo na nossa sociedade, apesar de não concordar, mas este texto da fatia deixou-me a refletir sobre isso.

1659640-brain-gears-icon-png-brain-with-gears-png-

Esta tendência para acreditar facilmente em tudo, esta falta de espírito crítico, torna-nos vulneráveis a vigarices e à manipulação da nossa opinião, havendo até quem classifique isso como uma forma de iliteracia.

E juntamos a isso a critica fácil e gratuita que, na maior parte das vezes, é apenas para denegrir a imagem do outro.

Atenção, eu sou tolerante à crítica e acho que ela deve existir para se refletir sobre as coisas e para estas melhorarem, no entanto, incomoda-me a falta de argumentos, o espezinhar gratuito e a banalidade com que se aponta o dedo.

Podemos, e devemos, fazer alguma coisa para resolver isso. Cada um de nós, na sua vidinha.

Vamos dar algum uso ao nosso cérebro (para além do sudoku, vá) e começar a questionar mais, a refletir mais, em última instância, a conversar mais? (não, as mensagens não contam)

E pôr em causa e tentar saber mais é válido para tudo na vida, não estamos aqui a discutir noticiais de pandemia, mas sim, toda e qualquer questão que nos atravesse o espírito.

 

Começa de forma suave a refletir sobre alguns pontos:

  • Contesta a tua Mente

Muitas das vezes, recordamo-nos dos acontecimentos que asseguram as nossas convicções e esquecemos aqueles que as contrariam. Ou agarramo-nos de tal maneira a um dado acontecimento que lhe queremos atribuir um outro significado que o mesmo não teria à partida. (característica da nossa muito bem aproveita por videntes, convenhamos)

Por exemplo, quando alguém nos liga e estamos a pensar nessa pessoa, ficamos deveras entusiasmados com tal coincidência; mas esquecemo-nos de todas as outras vezes em que pensávamos nessa pessoa e ela não ligou ou que ligou sem que tivéssemos pensado. Portanto, a nossa prega-nos realmente partidas. Não vamos viver a vida com atenção total a esses pormenores, mas se tentarmos ir tendo atenção plena em diversos momentos, já é um começo.

  • Contesta Quem Noticia

Os jornais e televisões têm muitas vezes que resumir notícias a uma frase e fazem-no prejudicando a verdade em favor do sensacionalismo.

Muitas vezes lendo ou ouvindo o resto da notícia ficamos com uma ideia completamente diferente da inicial. Como tal, nunca devemos formar uma opinião sobre um assunto baseado apenas em cabeçalhos de jornais ou rodapés de noticiários televisivos.

Não baseies a tua opinião sobre um assunto numa única fonte. 

Lê e ouve várias opiniões, vê e lê noticias e livros, sempre com espírito critico. Em muitos assuntos, não existe UMA fonte/opinião/informação que seja completamente correta.

  • Contesta Quem Vende

Somos constantemente ludibriados por anúncios a produtos que se apresentam com atributos que não têm, assediados com relações inexistentes (como a cerveja Y ‘nos trazer’ muitos e animados amigos) e confundidos com publicidade disfarçada de informação. Lembra-te da máxima “se algo parece bom demais para ser verdade, então é porque se calhar não o é”. Não existem soluções milagrosas para os problemas, a solução tem sempre que passar por nós. Por isso questiona e pondera antes de comprar qualquer produto que uma dada marca te quer impingir (mas estamos tantas vezes tão ofuscados que nem nos apercebemos que nos estão a impingir).

Estas mudanças não são de um dia para o outro, aliás deveriam começar na escola para que em adultos não tenham que refletir tanto sobre estas questões (como eu, digam lá). A educação deve promover a construção do auto-conhecimento, o espírito critico, favorecer a responsabilidade e criatividade do individuo.

Infelizmente não creio que se assista a isso no nosso sistema de ensino, por muito que os professores que se esforcem e façam ‘omeletes sem ovos’, de facto não conseguem fazer milagres. Mas bem, isso já seria tema para outra discussão, não é verdade?

Rainbow Friday

Tri, 20.11.20

Aparentemente as Black Friday já não são apenas pretas e, muito menos, apenas só às sextas-feiras.

Como assim apresentam-nos ‘Black Friday’ a semana inteira? Ou ‘durante este mês, não perca’?

Já nos encontrávamos mergulhados num consumismo exacerbado mas, de facto, com este tipo de incentivos é mesmo para não dar tempo às pessoas de refletirem, questionarem, ponderarem….não! é para comprar, é por impulso e é já antes que esgote!

Não percebo! 

Nada contra quem quer aproveitar as promoções, até porque temos vindo a ser manipulados para isso mesmo, mas convém vermos se estamos a aproveitar uma qualquer promoção ou só a ser enganados. (eu quando tenho que comprar, também prefiro comprar barato)

A Black Friday surgiu nos EUA (como não podia deixar de ser, não é?), com o intuito de fomentar as vendas após o feriado de ‘Ação de Graças’, que é muito simbólico e impactante no país, com uma iniciativa de 24h de promoções. Ficou assim a data marcada por uma enorme procura de produtos em promoção, aumentando exponencialmente as vendas. Desta forma, o fenómeno foi rapidamente adotado por vários países do Mundo, incluindo o nosso.

Mas a ideia é um dia de promoções, que podem ser mais ou menos aliciantes, mas não um mês inteiro a incentivar o consumo e a danar os orçamentos familiares.

A Black Friday, que oficialmente decorre à sexta-feira, já não é só à sexta-feira. Agora, é quando uma marca quiser.

É que nem o nome mudam, chamam ‘Black Friday’ a uma semana inteira de promoções...

Não percebo!

label-black-friday_1035-4923.jpg

 

 

A arte de dizer 'não'

Tri, 22.10.20

Não quero. Não posso. Não me apetece.

Negar convites ou solicitações não tem que ser necessariamente sinónimo de má vontade ou preguiça. Pode ser, simplesmente, uma escolha consciente que fazemos para impedir a sensação de que todos “mandam” na nossa vida, nas nossas escolhas, nos nossos horários.

Começar a dizer ‘não’ sem sentimento de culpa, é libertador. (então se for antes de perdermos a cabeça, ainda melhor)

child-saying-no_7710-78.jpg

Como todos sabemos, a forma como as sociedades estão agora desenhadas leva-nos a viver na correria; todos querem tudo ‘p’ra ontem’, todas chamadas, mensagens ou e-mail’s têm que ser respondidas na hora porque todos sabem que estamos disponíveis em qualquer canto do mundo, então já ninguém sabe esperar…já não há paciência nem tolerância.

Dizemos sim porque é mais fácil, evita os olhares desconfortáveis das outras pessoas, evita o bater da porta, a resposta com frieza na voz, evita passarmos a ouvir “também nunca se pode contar contigo”.

No trabalho dizemos sim porque temos de dizer, não é verdade? Ainda assim, por vezes poderíamos tentar sugerir outras opções ou explicar que não pode ser quando a pessoa quer mas sim mais tarde. No fundo dizemos sim por receio da incerteza da atitude da outra pessoa.

“Preciso de tempo para mim”, acaba por ser a nossa desculpa quando já não dá mais e temos mesmo que dizer um não a alguém, mas é um não com justificação.  Sentimo-nos a multiplicar por diversas tarefas, todos os dias, acompanhado de um prejuízo da vida pessoal e familiar.

Mas tal frase traz ao de cima o cerne do problema pois, de facto, não vamos arranjar mais tempo, quando muito (e aqui reside parte da solução), vamos arranjar forma de termos menos coisas para fazer.

(E como raio é que faço isso? - perguntam vocês)