Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

E sermos gratos pelas coisas más, hein?!

Tri, 27.07.20

Uma outra palavra que entrou na moda e que se usa até “desgastar” é a gratidão. (e cá vou eu contribuir para o desgaste)

No entanto, muito se fala e, por vezes, pouco se faz. Gratidão não passa por escrevermos frases bonitas mas sim por sentirmos efetivamente gratidão na nossa vida, vivermos a vida de forma diferente. (que é diferente de sermos gratos duas vezes ao dia com qualquer coisa boa que aconteça)

Afortunadamente que o percebi há muito e tenho aprendido ao longo da minha evolução (sim, estamos sempre a aprender) mas, nos últimos dias, tenho vindo a refletir mais sobre isto, desde a última visita ao blog da Just Smile (que vale sempre cada visita), e percebi o quanto sou grata por muita coisa que me tem acontecido nos últimos anos.

Felizmente, é algo que está já efetivamente presente na minha vida (se bem que todos temos dias menos bons), gosto de fazer inclusive o meu livro da gratidão e obrigar-me a ter o meu tempo diariamente para refletir.

Já todos estamos habituados a ouvir que devemos ser gratos pelas pequenas coisas do dia-a-dia e que devemos estar atentos aos pequenos pormenores da vida que são relevantes e que devemos elevar (parece cliché mas é mesmo verdade).

Não obstante a importância das pequenas coisas da vida, sermos gratos pelas coisas boas é fácil! (afinal de contas são boas, não é?!)

O difícil mesmo é sentirmo-nos verdadeiramente gratos perante os problemas, os desafios da vida, as situações de tristeza e sufoco, os problemas e dilemas mal resolvidos. É claro que nunca queremos agradecer pelas coisas más, mas se não acontecessem, se o outro não tivesse determinada atitude, não estaríamos onde estamos.

Sim, devemos ser igualmente gratos pelas coisas menos boas que nos aparecem na vida!

Costuma-se dizer que pensamentos positivos atraem coisas positivas, e é mesmo assim pois a vibração que emanamos é a que vamos atrair. Desta forma, o sentimento de gratidão funciona no universo como um íman, e tudo o que agradecemos nos será devolvido quando precisarmos.

Então, não importa se fomos menosprezados no nosso trabalho, se fomos magoados nalguma relação, o relevante é sentirmos esse impacto, termos o nosso tempo de ficarmos tristes, revoltados, injustiçados (o que for) e no final agradecer a lição, e as ilações que podemos tirar perante o problema com que nos deparamos.

Claro que tudo isto implica uma crença plena, no campo do ceticismo não vale a pena estarmos a ter esta conversa, caros amigos.

Mas vivendo genuinamente a vida com amor e gratidão, é o que vamos vibrar para o universo que nos devolve aquilo que precisamos. E atenção, não nos devolve o que nós queremos (ou jugamos ter que ter) devolve-nos, de forma singela, aquilo que precisamos. Temos que ter essa perceção e compreender a relevância disso para não defraudarmos a nossa expectativa que pode ser muito ambiciosa (e não a fundamental para a nossa vida naquele momento). 

Vamos sentir gratidão: pelas dores, desamores e desentendimentos, pelas dificuldades financeiras, enfim por tudo o que possa ter acontecido pois formou a pessoa que somos hoje e, provavelmente, foi fundamental aquele momento menos positivo na nossa vida, ainda que só tenhamos essa percecção muito tempo depois (por vezes demoramos anos para aprender a lição, certo?)

Vamos sentir gratidão não só pelo bom mas pela vida na sua completude.

“Seja agradecido pelo que você tem e acabará tendo mais.
Se você se concentrar no que você não tem, nunca terá o suficiente.”

Oprah Winfrey

 

E tu pelo que és grato hoje?

A minha primeira viagem à Índia

Tri, 21.07.20

A minha primeira viagem à India foi mágica. (Sim leram bem, a primeira porque no que depender de mim não será a única)

Foi uma viagem muito desejada e sonhada, foi simultaneamente adiada por vários anos, pelo receio da realidade que iria encontrar e que não sabia como lidar. Até chegar a coragem e ir! (e agora não quero outra coisa)

Sim assisti a grandes choques de realidade, sim vi toneladas de lixo acumulado que nos corta o coração, sim vi vacas bem tratadas (e simultaneamente mal tratadas, na verdade) e sim fui para o sul da Índia e recomendo vivamente.

Por muita preparação prévia que tenhamos feito, é inevitável que a India não mexa connosco porque vamos estar rodeados de lixo, confusão, barulho (muita buzina) e ao mesmo tempo silêncio, vamos levar um murro no estômago mesmo que tenhamos feita muita pesquisa.

Mas assim que nos abstraímos do menos bom, somos tocados pela beleza, alegria, humildade e espiritualidade do povo indiano.

Diria mesmo que a grande magia da India é as suas pessoas, que nos dão um banho de humildade brutal, que mesmo no meio das suas dificuldades conseguem ser afáveis, conseguem até partilhar o pouco que têm. 

India não é um mero destino de férias, é uma experiência de vida impactante.

EFFECTS.jpg

 

a vida muda e nós acompanhamos

Tri, 26.09.18

Life Moments.jpg

 "Por vezes temos que abandonar a vida que tínhamos planeado, pois já não somos aquela pessoa que fez aqueles planos.”

 

A vida muda, assim como os objetivos que tínhamos traçado. E eu acredito que todas essas mudanças trazem aprendizagem e experiência.

 

Não obstante, para mim, que adoro planear e organizar tudo, no início fico um pouco à nora, mas com perseverança tudo se encaixa, simplesmente se adapta. Por vezes, o que estava a ser protelado passa a ser prioridade, o que era prioridade acaba por perder importância.

 

Começamos a capacitar-nos de que alguma coisa tem de ficar pelo caminho, temos de definir prioridades e escolher o essencial para os próximos tempos.

 

E de facto a vida muda tanto, nós crescemos, os nossos gostos e hábitos mudam, a nossa paciência para determinados acontecimentos deixa de existir e a nossa abertura para tantos outros passa a fazer parte de nós. Parece que nos tornamos, aos poucos, num novo ser.

 

Eu estou nessa fase em que preciso de parar e perceber. Perceber quais são, afinal, as minhas prioridades; que decisões devo tomar na minha vida profissional (mudo, não mudo…adapto, como o conseguirei fazer?!); perceber em que projetos a nível pessoal devo investir; perceber como cuidar melhor de mim (se eu não o fizer, quem o vai fazer, certo?!); tirar tempo para mim, simplesmente.

 

Ter também mais e melhor tempo para a escrita …não apenas a escrita neste blog, mas os meus bloquinhos que gosto de ir enchendo com pensamentos. Não escrevo particularmente bem, mas não deixa de me fazer bem…digamos que é uma espécie de terapia (como dizia o do anúncio:” deita cá p’ra fora!”)

 

Acho que este ano foi muito importante para tomar consciência de mim, para investir em mim, para aprender muito e muitas coisas distintas, para ir mudando o meu estilo de vida e acho que 2019 vai ser o meu ano!

a palmada pedagógica

Tri, 19.09.18

spanking.jpg

“Só é possível ensinar uma criança a amar, amando-a” Johann Goethe

 

É muito comum quando uma criança reage de forma inesperada a um determinado acontecimento e os adultos utilizarem frases como: “Isso é falta de umas palmadas”, “Ah se fosse no meu tempo”, “Isso é birra, se fosse comigo…”

 

E foi exatamente isso a que assisti esta semana no supermercado; uma mãe a tentar acalmar a criança e a passar a mensagem de forma serena (ou dentro do possível) tentado fazer ver que não podia comprar aquele artigo, que não podia ir com elas para casa, e os comentários dos ‘transeuntes’ eram todos depreciativos.

 

Eu não tenho filhos, pelo que a minha visão e perspetiva são totalmente externas, o conhecimento ‘de causa’ que detenho advém dos pequenotes da família; mas, ainda assim, não me parece que a violência seja solução para nada!

 

Basta ver como vai a nossa sociedade, basta ver um qualquer telejornal para perceber a violência gratuita que o ocupa, sem consciências, sem arrependimentos…hoje em dia é tão banal como beber um copo de água.

 

Para mim a violência contra a criança é inaceitável em qualquer idade ou circunstância.

Em pequenos só se sabem expressar através do choro; quando começam a falar reclamam que estão a fazer birra, no entanto agem assim porque fisicamente não estão ainda preparados para lidar com frustrações e quando são adolescentes são rebeldes e mal criados.

 

Acho que o cerne da questão aqui é que falta diálogo, falta informação, falta autocontrole.

 

É muito fácil bater numa criança, somos maiores, mais fortes e elas vão apanhar, chorar e obedecer.

Porque aprenderam a lição ou por medo?

É este tipo de adultos que queremos formar?

 

Não é fácil realmente lidar com episódios de gritos e choros, explosões de adolescentes, ‘mau-feitio’ e ataques de fúria, mas precisamos de refletir mais sobre quem é que é o adulto na situação e quem é a pessoa mais vulnerável?

 

E perguntam vocês, “vê la se os teus pais não te deram uma palmadinha em miúda e tu cresceste bem e saudável e nada traumatizada!?!”

É verdade, levei umas duas palmadas…e lembro-me!

 

Se calhar não foi a melhor solução, mas tudo o resto foi pautado por explicações e castigos, por privação do que eu queria em troca de algo responsável que teria que fazer, e não sob violência. E aí reside a diferença!

 

Na minha humilde opinião, bater na criança ensina a criança a ser agressiva, a valorizar a lei do mais forte, a fazer prevalecer a sua palavra pelo lado físico.

E, sinceramente, nós precisamos neste mundo é de quebrar o ciclo da violência e não instruir mais seres humanos a resolverem os seus conflitos mediante o uso da força física.

 

Em nossa casa, o meu pai não batia, o meu pai é uma pessoa muito calma, ponderada, que fala sempre baixo (nem que se esteja a passar com um cliente), já a minha mãe é muito mais intempestiva e desatava a ralhar connosco sobre qualquer asneira mas, em nossa casa, quando eu a minha irmã fazíamos uma qualquer asneira, o meu pai sentava-se à mesa connosco para falarmos sobre o que houve de mal, sobre o que podemos mudar na próxima vez…não ralhava, não falava alto, não batia, sentava-se a falar connosco olhando nos olhos e com aquele timbre que me doía mais que uma palmada.

 

Assim, estou convicta de que as crianças aprendem muito mais pelo exemplo, pelo que veem e vivenciam e, deverá ser possível educar de forma positiva sem castigos, sem ameaças ou chantagens, sem palmadas.

 

Não existe educação através da violência seja ela física ou psicológica.

Educação exige paciência, dedicação, tempo, insistência e muito amor.

 

E vocês, qual a vossa opinião sobre a palmada pedagógica?

 

 

 

 

Portugal o mais crítico dos Portugueses

Tri, 27.08.18

bandeira.jpg

Em que povo nos fomos tornando?

Num povo sombrio, triste e sempre à espera da desgraça alheia.

Na ‘santa festa da terrinha’ estamos sempre presentes e prontos para um pézinho de dança, mas somos sempre os mais críticos do alto da nossa vasta sabedoria sobre todos os temas existentes à face da Terra.

 

Porque razão somos nós os mais críticos de Portugal e dos portugueses?

 

Não é só o clima, a gastronomia, os monumentos, a segurança e a natureza. Temos muitas situações das quais nos devemos orgulhar. Mesmo muitas! E mesmo muitos portugueses fantásticos, que elevam o nosso país.

Marcas, empresas, pessoas com sucesso mundial e conhecidas em todos os ‘cantos’ do Mundo. E nós, em vez de aplaudirmos, exortarmos, ampliarmos, celebrarmos, só criticamos , maldizemos, é o ‘bota-abaixo’.

 

Porque razão são os estrangeiros, quer vivam cá ou fora, os primeiros a enaltecer as nossas qualidades e sucessos?

 

E são eles de facto, sem entenderem a nossa mente por vezes, que nos elogiam e divulgam o que de bom se faz em Portugal e pelos portugueses.

Isto tanto é válido para os produtos como para os feitos dos nossos portugueses de destaque por esse Mundo, ainda agora conquistámos medalhas de ouro e ainda assim consigo ouvir falar ‘menos bem’.

 

É o ‘efeito Cristiano Ronaldo’ que é o Melhor do Mundo, que luta, trabalha imenso, esforça-se, partilha as suas conquistas e mesmo fortuna com uma família unida a quem nunca deixou faltar nada e mesmo assim apenas se sabe dizer ‘nasceu com jeito’, ‘teve sorte na vida’, ‘se eu ganhasse o que ele ganha’... Ele lutou para estar onde está, fazer o que faz e ganhar o que ganha.

 

Enfim ...

 

No meio de tudo isto, aguardo o dia em que se comece a valorizar o trabalho, o empenho e a dedicação, em que se deixe de lado os gostos pessoais, em que se arrume a inveja e em que se deixe de procurar o deslize dos outros para valorizarmos a nossa vida.

 

Resta-me deixar os parabéns e agradecimento aos nossos atletas que têm brilhado este ano, pois na nossa estreia nos Jogos do Mediterrâneo arrecadámos 24 medalhas; o português Nelson Évora sagrou-se pela primeira vez campeão europeu do triplo salto e a Inês Henriques nos 50 km marcha.

 

o gosto pela leitura

Tri, 22.08.18

O gosto pela leitura deve ser incutido desde criança (acho mesmo fulcral), no entanto, com maior ou menor intensidade conforme os exemplos práticos que essas mesmas crianças têm na sua envolvente.  

 

Creio que ler deveria ser considerada uma necessidade básica do ser humano, tal qual como comer e respirar, e, efetivamente, existe quem cultive este gosto pela leitura de forma tão intensa que se torna crucial para ter uma vida equilibrada e mente sã. (guilty)

love ead.jpg

Para um leitor, digamos “viciado”, ter sempre um livro à mão é tão essencial como um atleta não faltar a sua ida ao ginásio.

Será esta carência algo intrínseco ao nosso desenvolvimento humano?

Será que este gosto pela leitura poderá de alguma forma ser genético?

 

Ler não é uma atividade grupal (a menos que seja em contexto escolar vá) mas garante ao grupo a existência do indivíduo. Um grupo não é só uma casualidade de gente da mesma escola, da mesma rua, do mesmo café, etc.

Não é apenas uma simultaneidade.


No equilíbrio das forças que sustentam um grupo, tem de haver lugar para a distância, para a pertença a si próprio.

Assim, a lei­tura é um elo que nos prende a alguma coisa de sólido que vai surgindo em nós, enquanto a desigualdade externa nos interpela. Porque ler é também viajar, revelar, identificar, abrir, sonhar, descobrir.

 

De forma genérica, tenho como convicção que toda gente gosta de ler, na verdade o que acontece é que algumas pessoas não tiveram um bom impacto na sua primeira tentativa de leitura e desistiram de imediato; no entanto, todos gostam de ler encontrando o livro certo para si, para os seus gostos e personalidade. (vá, nem que leiam os catálogos dos supermercados)

 

Ser leitor é gostar de estimular a mente, de esforçar os olhos e a cabeça para ficar a saber coisas que, magicamente, sem pincéis nem canetas, ganham cor e forma e, na nossa cabeça, ganham movimento; é ser-se curioso e gostar de encontrar respostas; é ser infantil e gostar da fantasia; é o gosto da intriga, do enredo, da novidade e da descoberta; é o gosto das frases bem-dizentes e das palavras bem-soantes; o gosto da fuga e de transpor o real, ainda que temporariamente.

 

É muito provável que não exista o gene da leitura, mas tem de haver a educação para a leitura, como imperativo de uma sociedade mais humana.

 

socializar à mesa

Tri, 01.08.18

Friends-socializing.jpg

Chegaram as férias, o bom tempo (oi? onde?), o convívio até ser noite que tanto nos apraz e os típicos bons petiscos.

Nós portugueses temos as ‘comenzainas’ como algo intrínseco à nossa existência, não podemos mesmo passar sem elas, principalmente chegando a esta altura do ano em que todos estão mais dispostos e disponíveis para tal.

 

Uma das atividades preferidas dos portugueses é estar à volta de uma mesa com amigos e família, a comer, beber e conversar.

 

É uma atividade deveras importante, que pode levar horas!  

 

Entendam, isto da comida para nós não passa de uma mera necessidade fisiológica: nós não adoramos comer simplesmente, nós rodeamos a nossa vida social em volta da comida, em torno de uma mesa.

À mesa, gostamos de falar sobre tudo, desde o futebol ao tempo, dos miúdos que já estão uns traquinas, dos planos para as férias e, sobretudo, sobre comida.

Estamos sempre a comer e a falar sobre outros pratos que são “de trás d’orelha”, de outros restaurantes maravilhosos que têm uns petiscos “de comer e chorar por mais”.

 

De onde veio este hábito tão intrincado na sociedade portuguesa?

 

Nós não combinamos uma leitura num jardim, não combinamos uma ida ao teatro ou cinema sem ‘comes e bebes’, mas combinamos sim facilmente ‘Ir comer a qualquer lado’.

Isto sem qualquer fundamentalismo da nossa parte pois não pretendemos doutrinar ninguém: é uma escolha nossa, como ser do Benfica ou do Porto.

 

Somos assim nós, temos uma excelente gastronomia logo gostamos de comer.

 

De comer, conversar e estar com os nossos, enquanto falamos de comida.

 

a era das imagens

Tri, 20.06.18

 

exposiçao.jpeg

Como já aqui disse, sempre gostei de escrever (e gosto!), dá-me um prazer incrível e nunca tinha sido meu propósito ter um blog, até que surgiu a ideia e criei este…mas foi ‘só porque sim’, não contava ‘ter seguidores’ ou ‘leitores assíduos’.

Era um escrever só por escrever e neste cantinho ia ‘depositando’ um pouco de mim.

 
Mais de um ano passado e constato que me dá um gozo fenomenal tê-lo, poder deixar um pouco de mim por aqui (apenas um pouco vá), abrir, por vezes, a alma, discutir assuntos interessantes, escrever um rol de disparates, reflexões e afins.

 

A vontade surgiu-me também porque sempre fui seguidora assídua de blogs, vários blogs, (alguns com décadas) e bastante interessantes que me deixavam mesmo empolgada por poder lê-los.

 

No entanto, atualmente vivemos na era da imagem, sinto que as pessoas já não estão para ler textos grandes, querem as imagens não as palavras. Querem absorver muita coisa e de forma rápida, têm pouca paciência e vontade de esperar pelas coisas, querem tudo no imediato, é a era dos youtubers. (não desfazendo no seu trabalho)

 

Por opção não tenho redes sociais (e não creio que tragam qualquer mais-valia para a minha vida em concreto) e discuto bastante este tema com amigos, porque a qualquer lado que se vá tem que ser registado e partilhado.

Quase ninguém está simplesmente num sítio, disfruta plenamente daquela refeição, companhia ou paisagem parece que tudo se torna completo apenas com a partilha com terceiros numa forma de afirmação.

 

Eu pessoalmente, nunca gostei de partilhar mais do que o que controlava. Mesmo, por aqui, partilho os pensamentos que me assolam a mente, partilho o que me vai na alma mas pouco sobre os meus problemas (também problemas todos temos que chegue na vida), mas a verdade é que me exponho, dou um pouco de mim, sem dúvida.

 

Esta exposição excessiva causa-me alguma ‘urticaria’, ou sou eu que não me estou a conseguir adaptar a estes tempos e acompanhar ou, de facto, está a ser um exagero. (aposto mais na segunda opção…eheh)

 

Deixo-vos o post da Carolina, que é exemplificativo disso mesmo, deste exagero que inclusive ‘já criou’ novas profissões.

sermos pais dos nossos pais

Tri, 27.03.18

velhice bonita.jpg

As linhas delineadas nos rostos dos nossos pais, não são meras rugas, são marcas das lutas diárias, da vida a acontecer, das noites mal dormidas e sonos perdidos por nós.

 

 Os nossos pais não serão jovens para sempre, um dia, vão envelhecer. 

E creio que deverá ser uma honra se tivermos a oportunidade de presenciar esta fase da vida deles, pois teremos a oportunidade de retribuir todo o cuidado e dedicação que tiveram connosco, enquanto nos formaram pessoas.

Certamente, fizeram o melhor que souberam e que puderam de acordo com o que a vida lhes proporcionou.

 

Categoricamente, não creio que seja uma fase fácil também, teremos que estar melhor preparados para quando esta fase chegar. A velhice vai torná-los carentes, necessitados de atenção e de ouvidos pacientes que oiçam as suas mágoas e lembranças.

 

Mas essas lembranças, onde constaremos pela certa, farão com que se sintam vivos e por isso é tão importante que não as percam.

 

Ainda assim, terão retrocessos físicos (ainda que não muito graves, mas os inerentes ao avançar da idade), o corpo franzino precisará do nosso apoio para se mover, tal como fizeram connosco quando nos ensinaram um dia a andar.

A cabeça começará a ficar confusa e a contar as mesmas histórias, vezes e vezes sem conta, com o entusiamo de como se fosse a primeira vez.  

As inseguranças de infância (das quais já nem nos lembramos) têm tendência a repetir-se na velhice…sempre ouvimos dizer “que na velhice voltamos a ser crianças” e não foge muito à realidade; daí a necessidade premente de cuidados e atenção; da troca de papéis.

 

Não obstante, acredito plenamente que não estamos preparados para sermos pais dos nossos pais; é um processo de adaptação e aprendizagem.

 

Quer dizer, velho é um conceito relativo (sempre o é); para mim os meus pais não são velhos, estão simplesmente a envelhecer, no entanto, aos olhos do meu sobrinho eles são velhos, aos olhos dos amigos deles são perfeitamente normais, aos olhos dos meus avós seriam ainda uns jovens. É sempre relativo …

 

A maior dificuldade reside em conciliarmos o nosso espirito de filhos adultos com o progressivo envelhecimento deles; largarmos os ideais de criança de que os nossos pais são heróis, que são invencíveis e que estarão cá para sempre.

E assim, nada é mais justo do que estarmos ao lado deles quando precisarem, tanto ao longo da sua vida adulta como na velhice.

Ainda que, por vezes, a paciência nos possa trair e o aborrecimento surja, não é contra eles…é contra o tempo, o mesmo tempo que nos ensina, educa, cura e faz crescer e que os está a levar de nós.

Devemos tratá-los com carinho, respeito, oferecer-lhes colo (tal como fizeram connosco), em forma de companhia, de cuidado, de atenção, de sorrisos, de uma mão estendia e braços abertos.

 

É dar-lhes mais paciência e menos exasperação. Menos desassossego e mais apoio. Mais companheirismo e menos acusações. Mais afeto e menos cobranças.

Eles estão apenas a envelhecer; tal como todos nós, a cada dia que passa.

seremos mesmo o espelho dos nossos pais?

Tri, 04.09.17

familypic.jpg

Dizem-nos durante toda uma vida “é a cara chapada da mãe.”, “Ai que feitiozinho, sai mesmo ao pai”, “tal pai, tal filho”, e será que somos mesmo assim tão iguais?

Será que os nossos feitios e personalidade são ditados pelos nossos pais e respetivos feitios? Será que não desenvolvemos a nossa própria personalidade ao longo da vida á medida que vamos crescendo? Será que somos assim tão iguais?

E a resposta é sim, eu creio que sim!

 

Eu vejo por tantos casos que me são próximos, amigos e família, como os pequenos absorvem tudo que nem esponjas.

Assisto ao crescimento de algumas crianças pensando ‘que orgulho, que esperta e inteligente ela está a ficar’ refletindo que os exemplos daqueles pais são de facto positivos, as regras que lhe são impostas fazem todo o sentido, as atividades culturais que partilham com a criança são muito benéficas e, dessa forma, creio que estão a fazer um bom trabalho.

 

No entanto, vejo outros em que penso ‘ai no que ele se está a tornar’ e, de facto, é mesmo isso com pais com uma índole um tanto ao quanto duvidosa, amargos e insurretos, as crianças repetem os seus hábitos, educação (ou falta dela) e as tendências que as envolvem.

Assim, a criança torna-se pouco simpática, social e até autónoma nas funções básicas da vida, mas de facto a culpa não é da criança, mas sim da sua envolvente, mas sim dos exemplos (ou não) que lhe são passados.

 

A criança é totalmente condicionada e influenciada pelo seu meio ambiente, pelos exemplos dos pais, as conversas que os mesmos têm, os hábitos do dia-dia, são determinantes para o desenvolvimento da criança.

 

Todos temos a consciência de que viemos ao mundo fruto da união entre duas pessoas (com mais ou menos amor, não está em causa), e das quais herdamos geneticamente características que nos distinguem a cada um de nós de forma particular. Muitas destas características revelam aquilo que nós somos como pessoas, embora não totalmente, pois há coisas que o meio social nos transmite quase sem nos apercebermos.

 

Assim percebe-se a importância de sermos pais, criadores, educadores; é de facto relevante, (não propriamente pais biológicos…às vezes bem longe disso…) não só porque somos responsáveis por aquele pequeno ser que sem nós não é autónomo e não sobrevive, como também, somos responsáveis pelas pessoas que colocamos no mundo, somos responsáveis por criar aquele ser da melhor forma possível, passar-lhe a melhor educação e valores porque ele será o adulto que ficará neste mundo e o mundo já está suficientemente cheio de pessoas amargas, ruins e maldosas.

 

Pais deste mundo, vamos torná-lo num lugar melhor?!