Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

Destralhar a minha mãe …

Tri, 19.01.21

Bem, não foi bem a ela, foi mais a casa dela vá (eu também não sou assim tão mazinha) ;)

Consegui uma missão impossível, começar a pôr as mãos na tralha acumulada naquela casa durante uma vida.

Convenhamos que ninguém precisa de tanta coisa para viver, acho que já devíamos todos ter aprendido isso.

A minha mãe descobriu coisas para as quais não olhava há anos (muito menos usar), portanto para quê ter? Só para ocupar espaço, acumular pó e custar mais a arrumar?

19616119_SrvjJ.jpg

E perguntam vocês: “então conseguiram destralhar e arrumar uma divisão da casa?” (mais alto que não estou a ouvir …) Não senhora! Conseguimos destralhar umas gavetas e já foi muito.

Há todo um desapego emocional que tem que ser trabalhado primeiro. As coisas só têm o significado que lhe queremos atribuir e nada mais.

As memórias que ficam são dos momentos que passámos com as pessoas, o que vivemos juntos, o que conversamos, as aventuras e problemas que ultrapassámos; as memórias não são os objetos que guardamos.

Podemos não ter essa consciência mas o apego às coisas, pessoas e ao passado é um dos maiores entraves das nossas vidas.

 

Mas eu percebo a ligação e entendo que não se muda o ‘chip’ num dia, todos temos o nosso processo. Eu também tive o meu e, por exemplo, destralhei mais de 6 vezes a mesma gaveta, de cada vez conseguia deitar fora sempre algo mais, libertar aquelas energias. Mas passaram meses entre esses momentos…todos temos o nosso tempo.

Praticar o desapego não significa abrir mão de tudo o que é importante para nós, romper vínculos afetivos ou relacionamentos com aqueles que fazem parte da nossa vida. É simplesmente encontrar o equilíbrio saudável entre desfrutar dos relacionamentos sem atribuir significados a bens materiais que nos prendem.

Ainda assim o nosso destralhanço correu bem (convenhamos que foi mais produtivo porque fui deitando algumas coisas fora sem ela ver) mas ainda há muito caminho pela frente, muita coisa para organizar, separar e encaminhar para uma nova vida.

Eu gosto de destralhar, gosto da sensação de organização, de começar a ver as coisas a ganhar forma. Para cheia já basta a minha cabeça às vezes, não preciso que os espaços à minha volta sejam iguais.

Aproveitem mais ‘uma fornada’ de confinamento, para também organizarem o vosso espaço, onde passam tanto tempo, vão ver que até as ideias se arrumam melhor. ;)