Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

Estou só a dizer coisas ...

um espaço para a reflexão e partilha ...

Minimalismo: mudar por dentro e por fora

Tri, 15.08.20

Como já disse, e é de conhecimento público, o Minimalismo é um conceito, que tem ganho cada vez mais adeptos na nossa sociedade, está efetivamente na moda. (ao menos é uma “moda” bem positiva)

Como todos os conceitos que são esmiuçados até à exaustão (posso falar muito posso, realmente...) pode parecer redutor o conceito, por vezes, ou o inverso e ser levado ao extremo por algumas pessoas, no entanto, o cerne da ideia é vivermos apenas com o que precisamos e nada mais e consumirmos de forma consciente e responsável. (pasmem-se: sim, podemos ser minimalistas e consumir!)   

Tendo presente a nossa consciência enquanto consumidores, creio que todos temos noção de que consumimos em excesso e que muito do que consumimos, na verdade não nos acrescenta, pelo contrário rouba-nos (tempo e dinheiro quanto mais não seja). Somos constantemente manipulados, não para perceber a necessidade daquela compra e se é efetivamente uma carência, mas sim para associar prazer à aquisição de algo, felicidade até.

cactus_cacti_potted_minimal_minimalism-1286129.jpg

Um prazer que como todos sabemos é falso, é momentâneo e o problema aqui é a necessidade de mudarmos o nosso mindset, a nossa forma de pensar e de não nos deixarmos coagir por determinados testemunhos, publicidades e afins.  Porque a falsa sensação de satisfação e alegria quando adquirirmos algo vai, a dado momento, transformar-se em frustração e uma sensação de vazio.

Por isso devemos focar-nos no âmago da questão: o que é que me leva a querer comprar isto? Qual a sensação que espero obter quando tiver determinada comprar?

E, talvez seja, nesse momento que nos apercebemos que não é pela aquisição compulsiva de bens que determinada sensação desaparece (caso contrário não teríamos a constante vontade de ir às compras) e é aí que muda o mindset e devemos trabalhar no objetivo que queremos atingir, que queremos sentir e não refugiarmo-nos em compras.

Claro que se pode viver a vida nesse registo de comprar compulsivamente e encher a casa de coisas, (até porque o mundo não vai virar todo minimalista e, de repente, fecharem todas as fábricas para que não hajam mais bens de consumo) e há milhares de pessoas que o fazem sem questionarem as suas necessidades, os benefícios duradouros que essas compras podem trazer para a sua vida.

 

E tudo bem com isso! Só faz sentido lermos sobre qualquer assunto e aprofundar quando o mesmo se enquadra na nossa vida, quando faz sentido para nós e não apenas por modas porque, deixo já o aviso, não vai funcionar. (e seja isso ser minimalista, passar a ser desportista, ser um leitor diário, virar vegetariano, enfim, seja o que for…)

Assim, o minimalismo vem trazer à tona algo que parece quase invisível na azáfama da nossa vida atual: o Tempo.

O tempo é somente a Vida, que podemos viver intensamente ou simplesmente passar por ela. E é aqui que reside a diferença, possuindo menos coisas despendemos menos tempo a tratar das ditas, logo tempo mais tempo para fazer e estar.

E não é necessário uma grande reflexão para perceber isso. Por isso, creio que o minimalismo é um caminho, o caminho que queremos para a nossa vida e como se costuma dizer “o caminho faz-se caminhando” pelo que não se pode querer passar a ser minimalista, deitar tudo para o lixo e já está.

Não, mais importante que deitar coisas fora, é perceber o conceito e identificarmo-nos em possuir menos e viver mais, é mudarmos por dentro para podermos mudar por fora (destralhando, como se costuma dizer), é percebermos o estilo de vida que temos e o que gostaríamos de ter e promover a mudança.

E vocês que mudanças gostariam de implementar na vossa vida?

6 comentários

Comentar post